Votos brancos… com linhas diagonais brancas

Sempre que se aproxima uma eleição faço o papel de evangelizador da importância do voto e aos descrentes nas alternativas apresentadas faço a apologia do voto em branco.

Considero que o esforço de ir votar em branco é muito superior ao dos que ficam em casa ou na praia ou no café a praguejar e se abstêm. A abstenção pode ser por qualquer razão, o voto em branco é uma expressão efectiva: não queremos nenhuma das propostas.

Também acho que as eleições em que a abstenção seja superior a 50% não deviam ser válidas. E olhando para o exemplo de alguns países europeus, o abstencionista devia ser penalizado: não tendo benefícios fiscais, por exemplo. Se não gosta do estado em que vive e se não participa… temos pena. Claro que as urnas estariam abertas mais tempo e porque não, durante a semana. Não percebo esta cena do dia de reflexão (só mesmo pelo nosso descanso auditivo) e do voto ao domingo tipo missa.

Adiante…

Bebendo da fonte, o site da CNE, só nas eleições europeias o fenómeno do voto em branco e nulo é mais expressivo. Nas legislativas mal chegam a 2% dos votos com abstenções abaixo dos 40%.

Mas nas Europeias deste ano os brancos e nulos chegaram a 6,63% dos votos, ou seja, mais que os pequenos partidos todos juntos e menos de 2% abaixo do CDS-PP. O suficiente para ter “roubado” um deputado a alguém e alterado todas as contas.

E se olharmos para os resultados por distrito podemos ver que:

. nos Açores os brancos ocupam a 5ª posição (6,34%), acima do PCP e pouco abaixo do BE;

. idem em Aveiro, com 7,50%;

. em Beja, 5,20%, acima do CDS;

e em Bragança, Castelo-Branco, Coimbra, Évora, Guarda, Leiria, Santarém e Setúbal a história repete-se.

Se alguém procura ver nos resultados das eleições um voto de protesto é para aqui que deve começar a olhar, não para os lados.