As coisas debaixo do nariz: lusofonia, Açores e etc

A edição deste mês da Monocle é dedicada à Lusofonia e ao potencial de negócio e de desenvolvimento que tem por detrás, chamando a atenção do resto do mundo para esta realidade.

Mas aqui para nós que somos lusófonos, aquilo que a revista faz é meter-nos à frente dos olhos o que tem estado debaixo do nosso nariz e que por isso mesmo temos sempre alguma dificuldade em ver ou em conceber que pode ser feito de maneira diferente.

O artigo sobre os Açores e as ideias que levanta para o melhor aproveitamento da região é prova disso mesmo. Precisamos mesmo de fazer um reset e olhar para as coisas com olhos frescos e pensamento positivo e perceber como é que de facto as podemos aproveitar melhor em nosso próprio proveito. Voltando aos Açores, a história de como é que o chá acabou a ser plantado na ilha é a prova disso. E para quem não sabe (eu não sabia), é o único sitio da Europa onde se planta chá.

E não temos que esperar que alguém venha dar autorização nem precisamos que alguém escreva um desígnio nacional para que as coisas se começem a desenrolar. Vamos é arregaçar as mangas e começar. Depois logo se vê.

Não sei se já aterrou por cá mas assim que puderem comprem e leiam.

 

Dois dedos de conversa e um documentário

Já vos tinha dito que tenho vontade de partilhar o visionamento do Urbanized e com a preciosa ajuda do Marco Abreu e do CoWork Lisboa, vamos poder fazê-lo no próximo dia 25 de Maio, pelas 18h, no CoWork.

A imagem de cima pode servir de mote de conversa depois do visionamento, afinal, também Lisboa (e o resto do país claro) está cheia de oportunidades de renovação e reutilização.

Estão convidados. Fica o trailer para abrir o apetite 🙂

foto gentilmente gamada aqui